GESTÃO • MEIO AMBIENTE • REÚSO

BLOG

DESTAQUES

Por que o tratamento de efluentes oleosos é tão complexo?

Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Os óleos são substâncias essenciais para a sociedade, estando presentes em diversas substâncias que vão desde lubrificantes automotivos até grandes máquinas industriais, gerando um enorme volume de efluentes que precisa ser tratado corretamente.

Óleos são classificados como substâncias líquidas e viscosas, derivados de combustíveis fósseis como a gasolina e o diesel, e estão presentes em boa parte dos processos industriais seja como matéria-prima, ou também como parte integrante dos componentes que possibilitam o correto funcionamento de máquinas e equipamentos.

Apesar de serem associados geralmente à indústria automobilística, quase todo segmento industrial conta com efluentes oleosos. É o caso da indústria de alimentos, por exemplo, na qual é gerado um grande volume de gorduras.

Tratar tais efluentes é uma tarefa desafiadora e que necessita de extremo cuidado, seguindo padrões rígidos de qualidade e eficiência, a fim de evitar quaisquer riscos de contaminação.

O desafio no tratamento de efluentes oleosos

Estima-se que um único litro de óleo seja capaz de contaminar até 20 mil litros de água limpa.

O dado é alarmante e mostra claramente a necessidade de se tratar efluentes contaminados com óleo com extrema cautela, afinal, seu poder de degradação do meio ambiente é altíssimo, causando enormes prejuízos à fauna e à flora.

Devido a tal gravidade, as leis ambientais referentes ao descarte de efluentes oleosos são rígidas, estabelecendo limites baixíssimos de concentração para os contaminantes.

Metodologias de tratamento

Existem diversos procedimentos que permitem separar o óleo da água, uma vez que ambos os componentes não se misturam naturalmente.

Dentre tais metodologias, podemos citar os processos anaeróbios (realizados em reatores específicos), a decantação (procedimento pelo qual há a remoção do óleo e da água em grandes tanques por diferença de densidade, reduzindo o consumo de produtos químicos para separação), e tratamentos por processos físico-químicos, que combinam ações como a decantação com a utilização de substâncias desenvolvidas especificamente para retirar os contaminantes oleosos da água.

STEO – Sistema de Tratamento de Efluentes Oleosos

A Gmar Ambiental é especialista no desenvolvimento de soluções para o tratamento de efluentes oleosos provenientes da lavagem de componentes pesados como: tratores, caminhões fora da estrada, ônibus e maquinários industriais.

O STEO – Sistema de Tratamento de Efluentes Oleosos conta com a tecnologia de ponta da Gmar, sendo capaz de tratar efluentes contaminados por óleos por meio de processos físico-químicos, combinando diversas etapas:

  • Remoção de sólidos finos;
  • Remoção da parte oleosa;
  • Floculação;
  • Decantação;
  • Filtração;
  • Desinfecção.

O sistema é compacto, o que oferece uma fácil instalação em qualquer local, atendendo às necessidades da sua empresa de forma versátil, proporcionando alta eficiência na remoção de sólidos e oleosos, garantindo economia na conta de água pelo reaproveitamento dos efluentes, e conferindo pleno atendimento às legislações ambientais vigentes.

O STEO está disponível em versões com as seguintes capacidades de tratamento:

  • STEO 1.000 L/h;
  • STEO 3.000 L/h;
  • STEO 5.000 L/h;
  • STEO 10.000 L/h.

Acesse, conheça o equipamento e faça um orçamento personalizado e sem compromisso.

Garanta até 50% de economia na sua conta de água!