GESTÃO • MEIO AMBIENTE • REÚSO

BLOG

DESTAQUES

Como funciona uma manutenção de ETE?

Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

As Estações de Tratamento de Efluentes (ETE) são um conjunto de equipamentos e instalações utilizados para tratar efluentes domésticos, industriais, de esgoto, etc. Para que funcionem corretamente, necessitam de cuidados e manutenções periódicas.

Como em qualquer outro equipamento, existem dois tipos de manutenção: a programada, realizada periodicamente, visando prevenir a ocorrência de defeitos, e a emergencial, que ocorre quando a estação já apresenta algum problema, como a redução da sua capacidade de tratamento, por exemplo.

Não existe uma receita pronta para a realização de manutenção de uma ETE, pois isso ela pode variar de acordo com cada caso, em relação as impurezas retidas no equipamento, bem como a finalidade à qual ele se destina. Estações de tratamento de efluentes oleosos, por exemplo, possui peças diferentes das de tratamento de águas cinzas em uma residência.

Apesar disso, alguns cuidados são comuns, como é o caso da lubrificação das partes móveis, presentes nos agitadores e floculadores, isso para que elas não sofram desgastes mecânicos, deformações, ou necessitem de maiores gastos de energia para funcionar.

Outro cuidado essencial é o de evitar a corrosão das peças, o que pode ser muito comum acontecer, principalmente por se tratar de equipamentos que trabalham sempre úmidos – fator este que favorece o aparecimento de corrosão em compostos metálicos.

Por se tratar de um processo delicado e que exige conhecimento dos equipamentos e suas finalidades, é de suma importante contar com uma equipe especializada para realizar a manutenção nas estações de tratamento.

Pensando isso, a Gmar Ambiental conta com um time de ponta para atender a qualquer tipo de demanda em operação e manutenção das ETEs! Conte com a gente!