GESTÃO • MEIO AMBIENTE • REÚSO

BLOG

DESTAQUES

Como a captação de água de chuva ajuda na economia domiciliar

Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A maioria das pessoas sabe ou já deve ter ouvido falar alguma vez que 70% da superfície do Planeta Terra são compostos por água. Em dias quentes, parte da água que fica nas superfícies evapora e forma nuvens. Depois, ela se condensa e o peso faz com que caia em estado líquido, dando origem às chuvas.

Entretanto, engana-se quem pensa que toda a água (dos 70%) é destinada ao consumo humano. Em uma proporção de 100%, apenas 1% está disponível e encontra-se em subsolos, na atmosfera e em plantas. Para uso, apenas as águas de lagoas, lagos e rios, e de espaços vazios da formação geológica.

Contudo, dois fatores vêm causando preocupação de modo geral em relação à quantidade e qualidade da água utilizada para consumo: a escassez hídrica e a poluição. Com o avanço tecnológico e a globalização, o número de indústrias e outros fatores poluentes cresceram significativamente nos últimos anos.

No Brasil, a poluição ocorre pela contaminação dos recursos hídricos naturais, que é gerada por componentes físicos, químicos e biológicos, capazes de prejudicar plantas, animais e seres humanos. Isso diminui consideravelmente a probabilidade de usá-los para consumo, seja na hidratação, preparo de alimentos, em qualquer tipo de limpeza, irrigações ou outras atividades.

Afora isso, as movimentações demográficas e o crescimento da economia fizeram aumentar o uso dos recursos hídricos brasileiros. Logo, ainda que o volume da água de chuvas não diminua novamente, podemos chegar ao ponto de ficar ainda mais difícil ter acesso a ela.

Sabendo disso, empresas, indústrias e residências começaram a investir em sistemas de captação de água de chuva, a fim de armazená-la e aproveitá-la em serviços nos quais o uso é não potável como:

  • Limpezas de ambientes externos e internos;
  • Lavagem da parte externa de carros;
  • Irrigação de jardins;
  • Lavagem de quintais e garagens;
  • Limpar peças, equipamentos e maquinários;
  • Descarga em bacias sanitárias;
  • Refrigeração e aquecimento de água;
  • Sistemas de vaporização;
  • Entre outros!

A economia na conta de água ao final do mês pode chegar a até 60% e causar reflexo significativo na questão financeira. Além disso, investir em soluções sustentáveis e ainda ajudar a preservar o meio ambiente é, sem sombra de dúvida, ecologicamente correto. Ambos se caracterizam como ótimos exemplos de preocupar-se com o bem geral em longo prazo.